Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Brasil ganhou 141 medalhas no Pan-Americano em Guadalajara¹

Com 141 medalhas, sendo 48 de ouro, 35 de prata e 48 de bronze, o Brasil encerrou neste domingo sua participação nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara-2011 com um saldo muito positivo, no entender do superintendente executivo do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Marcus Vinícius Freire, que deu  a entrevista coletiva do balanço geral do evento. Perguntado se não era incômodo para o Brasil ter terminado mais uma vez atrás da ilha de Cuba, no número de ouros, Freire admitiu que o Brasil jamais conseguiu ter mais ouros que os cubanos, mas viu tendência de maior equilíbrio nesta rivalidade.
“Em Winnipeg-1999, foram 69 ouros de Cuba e 25 do Brasil. Em Santo Domingo-2003, 72 ouros de Cuba contra 29 do Brasil. No Rio, na nossa casa, foram 59 ouros de Cuba e 52 do Brasil. A diferença caiu  para sete. E agora em Guadalajara, foram 58 ouros de Cuba e 48 nossos”, analisou Marcus Vinícius Freire.
Na análise de Freire, Cuba apresenta uma tendência de queda, e o México deu um salto muito grande, ao passo que a Colômbia vem apresentando um crescimento desde 2007.  “No nosso país, é muito forte a cultura dos esportes coletivos, e ao todo, o Brasil teve 277 atletas medalhistas, ou seja, 53% dos 515 atletas voltam para casa com uma medalha” , calculou o superintendente.
“Não separamos as medalhas femininas das masculinas, mas hoje, quase metade da nossa delegação de atletas é de mulheres (235 em 515 atletas). Em Pequim-2008, foram as Olimpíadas cor de rosa, porque houve muitas primeiras medalhas no feminino. Neste Pan, o Brasil obteve medalhas em 35 modalidades, e Cuba, em 23”.
Nas Olimpíadas de Pequim, porém, o Brasil obteve três ouros e um total de 15 medalhas. Já os cubanos obtiveram 24 medalhas, mas duas de ouro. Para o superintendente, em 2012, o objetivo brasileiro será o de repetir números semelhantes aos de 2008.   Segundo o superintendente, a delegação brasileira, com 515 atletas, alcançou seu principal objetivo, o de ter conquistado 24 vagas olímpicas no pentatlo (um), concurso completo de equitação (cinco), handebol (14), triatlo (um), canoagem (dois) e saltos ornamentais (um). No caso dos saltos ornamentais, Freire acredita que o Brasil terá uma vaga, já que Cesar Castro ficou em terceiro lugar, depois de dois mexicanos já classificados. O assunto ainda será discutido com a Federação Internacional de Natação (Fina), mas Freire crê que o Brasil obterá a vaga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário